1. Depois disto o SENHOR respondeu a de um redemoinho, dizendo:

2. Quem é este que escurece o conselho com palavras sem conhecimento?

3. Agora cinge os teus lombos, como homem; e perguntar-te-ei, e tu me ensinarás.

4. Onde estavas tu, quando eu fundava a terra? Faze-mo saber, se tens inteligência.

5. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?

6. Sobre que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina,

7. Quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus jubilavam?

8. Ou quem encerrou o mar com portas, quando este rompeu e saiu da madre;

9. Quando eu pus as nuvens por sua vestidura, e a escuridão por faixa?

10. Quando eu lhe tracei limites, e lhe pus portas e ferrolhos,

11. E disse: Até aqui virás, e não mais adiante, e aqui se parará o orgulho das tuas ondas?

12. Ou desde os teus dias deste ordem à madrugada, ou mostraste à alva o seu lugar;

13. Para que pegasse nas extremidades da terra, e os ímpios fossem sacudidos dela;

14. E se transformasse como o barro sob o selo, e se pusessem como vestidos;

15. E dos ímpios se desvie a sua luz, e o braço altivo se quebrante;

16. Ou entraste tu até às origens do mar, ou passeaste no mais profundo do abismo?

17. Ou descobriram-se-te as portas da morte, ou viste as portas da sombra da morte?

18. Ou com o teu entendimento chegaste às larguras da terra? Faze-mo saber, se sabes tudo isto.

19. Onde está o caminho onde mora a luz? E, quanto às trevas, onde está o seu lugar;

20. Para que as tragas aos seus limites, e para que saibas as veredas da sua casa?

21. De certo tu o sabes, porque já então eras nascido, e por ser grande o número dos teus dias!

22. Ou entraste tu até aos tesouros da neve, e viste os tesouros da saraiva,

23. Que eu retenho até ao tempo da angústia, até ao dia da peleja e da guerra?

24. Onde está o caminho em que se reparte a luz, e se espalha o vento oriental sobre a terra?

25. Quem abriu para a inundação um leito, e um caminho para os relâmpagos dos trovões,

26. Para chover sobre a terra, onde não há ninguém, e no deserto, em que não há homem;

27. Para fartar a terra deserta e assolada, e para fazer crescer os renovos da erva?

28. A chuva porventura tem pai? Ou quem gerou as gotas do orvalho?

29. De que ventre procedeu o gelo? E quem gerou a geada do céu?

30. Como debaixo de pedra as águas se endurecem, e a superfície do abismo se congela.

31. Ou poderás tu ajuntar as delícias do Sete-estrelo ou soltar os cordéis do Orion?

32. Ou produzir as constelações a seu tempo, e guiar a Ursa com seus filhos?

33. Sabes tu as ordenanças dos céus, ou podes estabelecer o domínio deles sobre a terra?

34. Ou podes levantar a tua voz até às nuvens, para que a abundância das águas te cubra?

35. Ou mandarás aos raios para que saiam, e te digam: Eis-nos aqui?

36. Quem pôs a sabedoria no íntimo, ou quem deu à mente o entendimento?

37. Quem numerará as nuvens com sabedoria? Ou os odres dos céus, quem os esvaziará,

38. Quando se funde o pó numa massa, e se apegam os torrões uns aos outros?

39. Porventura caçarás tu presa para a leoa, ou saciarás a fome dos filhos dos leões,

40. Quando se agacham nos covis, e estão à espreita nas covas?

41. Quem prepara aos corvos o seu alimento, quando os seus filhotes gritam a Deus e andam vagueando, por não terem o que comer?

1. Sabes tu o tempo em que as cabras montesas têm filhos, ou observastes as cervas quando dão suas crias?

2. Contarás os meses que cumprem, ou sabes o tempo do seu parto?

3. Quando se encurvam, produzem seus filhos, e lançam de si as suas dores.

4. Seus filhos enrijam, crescem com o trigo; saem, e nunca mais tornam para elas.

5. Quem despediu livre o jumento montês, e quem soltou as prisões ao jumento bravo,

6. Ao qual dei o ermo por casa, e a terra salgada por morada?

7. Ri-se do ruído da cidade; não ouve os muitos gritos do condutor.

8. A região montanhosa é o seu pasto, e anda buscando tudo que está verde.

9. Ou, querer-te-á servir o boi selvagem? Ou ficará no teu curral?

10. Ou com corda amarrarás, no arado, ao boi selvagem? Ou escavará ele os vales após ti?

11. Ou confiarás nele, por ser grande a sua força, ou deixarás a seu cargo o teu trabalho?

12. Ou fiarás dele que te torne o que semeaste e o recolha na tua eira?

13. A avestruz bate alegremente as suas asas, porém, são benignas as suas asas e penas?

14. Ela deixa os seus ovos na terra, e os aquenta no pó,

15. E se esquece de que algum pé os pode pisar, ou que os animais do campo os podem calcar.

16. Endurece-se para com seus filhos, como se não fossem seus; debalde é seu trabalho, mas ela está sem temor,

17. Porque Deus a privou de sabedoria, e não lhe deu entendimento.

18. A seu tempo se levanta ao alto; ri-se do cavalo, e do que vai montado nele.

19. Ou darás tu força ao cavalo, ou revestirás o seu pescoço com crinas?

20. Ou espantá-lo-ás, como ao gafanhoto? Terrível é o fogoso respirar das suas ventas.

21. Escava a terra, e folga na sua força, e sai ao encontro dos armados.

22. Ri-se do temor, e não se espanta, e não torna atrás por causa da espada.

23. Contra ele rangem a aljava, o ferro flamante da lança e do dardo.

24. Agitando-se e indignando-se, serve a terra, e não faz caso do som da buzina.

25. Ao soar das buzinas diz: Eia! E cheira de longe a guerra, e o trovão dos capitães, e o alarido.

26. Ou voa o gavião pela tua inteligência, e estende as suas asas para o sul?

27. Ou se remonta a águia ao teu mandado, e põe no alto o seu ninho?

28. Nas penhas mora e habita; no cume das penhas, e nos lugares seguros.

29. Dali descobre a presa; seus olhos a avistam de longe.

30. E seus filhos chupam o sangue, e onde há mortos, ali está ela.

1. Respondeu mais o SENHOR a , dizendo:

2. Porventura o contender contra o Todo-Poderoso é sabedoria? Quem argüi assim a Deus, responda por isso.

Significados: , Deus.

Você está lendo na edição ACF, Almeida Corrigida e Revisada Fiel, em Português.
Este lívro compôe o Antigo Testamento, tem 42 capítulos, e 1070 versículos.