Lucas: Parábolas acerca da renúncia

25. Ora, ia com ele uma grande multidão; e, voltando-se, disse-lhe:

26. Se alguém vier a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.

27. E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo.

28. Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar?

29. Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele,

30. Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar.

31. Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil?

32. De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz.

33. Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo.

34. Bom é o sal; mas, se o sal degenerar, com que se há de salgar?

35. Nem presta para a terra, nem para o monturo; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Você está lendo Lucas na edição ACF, Almeida Corrigida e Revisada Fiel, em Português.
Este lívro compôe o Novo Testamento, tem 24 capítulos, e 1151 versículos.