Provérbios

1. Provérbios de Salomão: O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe.

2. Os tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte.

3. O SENHOR não deixa o justo passar fome, mas rechaça a aspiração dos perversos.

4. O que trabalha com mão displicente empobrece, mas a mão dos diligentes enriquece.

5. O que ajunta no verão é filho ajuizado, mas o que dorme na sega é filho que envergonha.

6. Bênçãos há sobre a cabeça do justo, mas a violência cobre a boca dos perversos.

7. A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perversos apodrecerá.

8. O sábio de coração aceita os mandamentos, mas o insensato de lábios ficará transtornado.

9. Quem anda em sinceridade, anda seguro; mas o que perverte os seus caminhos ficará conhecido.

10. O que acena com os olhos causa dores, e o tolo de lábios ficará transtornado.

11. A boca do justo é fonte de vida, mas a violência cobre a boca dos perversos.

12. O ódio excita contendas, mas o amor cobre todos os pecados.

13. Nos lábios do entendido se acha a sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de entendimento.

14. Os sábios entesouram a sabedoria; mas a boca do tolo o aproxima da ruína.

15. Os bens do rico são a sua cidade forte, a pobreza dos pobres a sua ruína.

16. A obra do justo conduz à vida, o fruto do perverso, ao pecado.

17. O caminho para a vida é daquele que guarda a instrução, mas o que deixa a repreensão comete erro.

18. O que encobre o ódio tem lábios falsos, e o que divulga má fama é um insensato.

19. Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio.

20. Prata escolhida é a língua do justo; o coração dos perversos é de nenhum valor.

21. Os lábios do justo apascentam a muitos, mas os tolos morrem por falta de entendimento.

22. A bênção do SENHOR é que enriquece; e não traz consigo dores.

23. Para o tolo, o cometer desordem é divertimento; mas para o homem entendido é o ter sabedoria.

24. Aquilo que o perverso teme sobrevirá a ele, mas o desejo dos justos será concedido.

25. Como passa a tempestade, assim desaparece o perverso, mas o justo tem fundamento perpétuo.

26. Como vinagre para os dentes, como fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam.

27. O temor do SENHOR aumenta os dias, mas os perversos terão os anos da vida abreviados.

28. A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá.

29. O caminho do SENHOR é fortaleza para os retos, mas ruína para os que praticam a iniqüidade.

30. O justo nunca jamais será abalado, mas os perversos não habitarão a terra.

31. A boca do justo jorra sabedoria, mas a língua da perversidade será cortada.

32. Os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos perversos, só perversidades.

1. Balança enganosa é abominação para o SENHOR, mas o peso justo é o seu prazer.

2. Em vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria.

3. A sinceridade dos íntegros os guiará, mas a perversidade dos aleivosos os destruirá.

4. De nada aproveitam as riquezas no dia da ira, mas a justiça livra da morte.

5. A justiça do sincero endireitará o seu caminho, mas o perverso pela sua falsidade cairá.

6. A justiça dos virtuosos os livrará, mas na sua perversidade serão apanhados os iníquos.

7. Morrendo o homem perverso perece sua esperança, e acaba-se a expectação de riquezas.

8. O justo é libertado da angústia, e vem o ímpio para o seu lugar.

9. O hipócrita com a boca destrói o seu próximo, mas os justos se libertam pelo conhecimento.

10. No bem dos justos exulta a cidade; e perecendo os ímpios, há júbilo.

11. Pela bênção dos homens de bem a cidade se exalta, mas pela boca dos perversos é derrubada.

12. O que despreza o seu próximo carece de entendimento, mas o homem entendido se mantém calado.

13. O mexeriqueiro revela o segredo, mas o fiel de espírito o mantém em oculto.

14. Não havendo sábios conselhos, o povo cai, mas na multidão de conselhos há segurança.

15. Decerto sofrerá severamente aquele que fica por fiador do estranho, mas o que evita a fiança estará seguro.

16. A mulher graciosa guarda a honra como os violentos guardam as riquezas.

17. O homem bom cuida bem de si mesmo, mas o cruel prejudica o seu corpo.

18. O ímpio faz obra falsa, mas para o que semeia justiça haverá galardão fiel.

19. Como a justiça encaminha para a vida, assim o que segue o mal vai para a sua morte.

20. Abominação ao SENHOR são os perversos de coração, mas os de caminho sincero são o seu deleite.

21. Ainda que junte as mãos, o mau não ficará impune, mas a semente dos justos será liberada.

22. Como jóia de ouro no focinho de uma porca, assim é a mulher formosa que não tem discrição.

23. O desejo dos justos é tão somente para o bem, mas a esperança dos ímpios é criar contrariedades.

24. Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda.

25. A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido.

26. Ao que retém o trigo o povo amaldiçoa, mas bênção haverá sobre a cabeça do que o vende.

27. O que cedo busca o bem, busca favor, mas o que procura o mal, esse lhe sobrevirá.

28. Aquele que confia nas suas riquezas cairá, mas os justos reverdecerão como a folhagem.

29. O que perturba a sua casa herdará o vento, e o tolo será servo do sábio de coração.

30. O fruto do justo é árvore de vida, e o que ganha almas é sábio.

31. Eis que o justo recebe na terra a retribuição; quanto mais o ímpio e o pecador!

1. O que ama a instrução ama o conhecimento, mas o que odeia a repreensão é estúpido.

2. O homem de bem alcançará o favor do SENHOR, mas ao homem de intenções perversas ele condenará.

3. O homem não se estabelecerá pela impiedade, mas a raiz dos justos não será removida.

4. A mulher virtuosa é a coroa do seu marido, mas a que o envergonha é como podridão nos seus ossos.

5. Os pensamentos dos justos são retos, mas os conselhos dos ímpios, engano.

6. As palavras dos ímpios são ciladas para derramar sangue, mas a boca dos retos os livrará.

7. Os ímpios serão transtornados e não subsistirão, mas a casa dos justos permanecerá.

8. Cada qual será louvado segundo o seu entendimento, mas o perverso de coração estará em desprezo.

9. Melhor é o que se estima em pouco, e tem servos, do que o que se vangloria e tem falta de pão.

10. O justo tem consideração pela vida dos seus animais, mas as afeições dos ímpios são cruéis.

11. O que lavra a sua terra se fartará de pão; mas o que segue os ociosos é falto de juízo.

12. O ímpio deseja a rede dos maus, mas a raiz dos justos produz o seu fruto.

13. O ímpio se enlaça na transgressão dos lábios, mas o justo sairá da angústia.

14. Cada um se fartará do fruto da sua boca, e da obra das suas mãos o homem receberá a recompensa.

15. O caminho do insensato é reto aos seus próprios olhos, mas o que dá ouvidos ao conselho é sábio.

16. A ira do insensato se conhece no mesmo dia, mas o prudente encobre a afronta.

17. O que diz a verdade manifesta a justiça, mas a falsa testemunha diz engano.

18. Há alguns que falam como que espada penetrante, mas a língua dos sábios é saúde.

19. O lábio da verdade permanece para sempre, mas a língua da falsidade, dura por um só momento.

20. No coração dos que maquinam o mal há engano, mas os que aconselham a paz têm alegria.

21. Nenhum agravo sobrevirá ao justo, mas os ímpios ficam cheios de problemas.

22. Os lábios mentirosos são abomináveis ao SENHOR, mas os que agem fielmente são o seu deleite.

23. O homem prudente encobre o conhecimento, mas o coração dos tolos proclama a estultícia.

24. A mão dos diligentes dominará, mas os negligentes serão tributários.

25. A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra.

26. O justo é mais excelente do que o seu próximo, mas o caminho dos ímpios faz errar.

27. O preguiçoso deixa de assar a sua caça, mas ser diligente é o precioso bem do homem.

28. Na vereda da justiça está a vida, e no caminho da sua carreira não há morte.

1. O filho sábio atende à instrução do pai; mas o escarnecedor não ouve a repreensão.

2. Do fruto da boca cada um comerá o bem, mas a alma dos prevaricadores comerá a violência.

3. O que guarda a sua boca conserva a sua alma, mas o que abre muito os seus lábios se destrói.

4. A alma do preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança, mas a alma dos diligentes se farta.

5. O justo odeia a palavra de mentira, mas o ímpio faz vergonha e se confunde.

6. A justiça guarda ao que é de caminho certo, mas a impiedade transtornará o pecador.

7. Há alguns que se fazem de ricos, e não têm coisa nenhuma, e outros que se fazem de pobres e têm muitas riquezas.

8. O resgate da vida de cada um são as suas riquezas, mas o pobre não ouve ameaças.

9. A luz dos justos alegra, mas a candeia dos ímpios se apagará.

10. Da soberba só provém a contenda, mas com os que se aconselham se acha a sabedoria.

11. A riqueza de procedência vã diminuirá, mas quem a ajunta com o próprio trabalho a aumentará.

12. A esperança adiada desfalece o coração, mas o desejo atendido é árvore de vida.

13. O que despreza a palavra perecerá, mas o que teme o mandamento será galardoado.

14. A doutrina do sábio é uma fonte de vida para se desviar dos laços da morte.

15. O bom entendimento favorece, mas o caminho dos prevaricadores é áspero.

16. Todo prudente procede com conhecimento, mas o insensato espraia a sua loucura.

17. O que prega a maldade cai no mal, mas o embaixador fiel é saúde.

18. Pobreza e afronta virão ao que rejeita a instrução, mas o que guarda a repreensão será honrado.

19. O desejo que se alcança deleita a alma, mas apartar-se do mal é abominável para os insensatos.

20. O que anda com os sábios ficará sábio, mas o companheiro dos tolos será destruído.

21. O mal perseguirá os pecadores, mas os justos serão galardoados com o bem.

22. O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos, mas a riqueza do pecador é depositada para o justo.

23. O pobre, do sulco da terra, tira mantimento em abundância; mas há os que se consomem por falta de juízo.

24. O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga.

25. O justo come até ficar satisfeito, mas o ventre dos ímpios passará necessidade.

1. Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos.

2. O que anda na retidão teme ao SENHOR, mas o que se desvia de seus caminhos o despreza.

3. Na boca do tolo está a punição da soberba, mas os sábios se conservam pelos próprios lábios.

4. Não havendo bois o estábulo fica limpo, mas pela força do boi há abundância de colheita.

5. A verdadeira testemunha não mentirá, mas a testemunha falsa se desboca em mentiras.

6. O escarnecedor busca sabedoria e não acha nenhuma, para o prudente, porém, o conhecimento é fácil.

7. Desvia-te do homem insensato, porque nele não acharás lábios de conhecimento.

8. A sabedoria do prudente é entender o seu caminho, mas a estultícia dos insensatos é engano.

9. Os insensatos zombam do pecado, mas entre os retos há benevolência.

10. O coração conhece a sua própria amargura, e o estranho não participará no íntimo da sua alegria.

11. A casa dos ímpios se desfará, mas a tenda dos retos florescerá.

12. Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.

13. Até no riso o coração sente dor e o fim da alegria é tristeza.

14. O que no seu coração comete deslize, se enfada dos seus caminhos, mas o homem bom fica satisfeito com o seu proceder.

15. O simples dá crédito a cada palavra, mas o prudente atenta para os seus passos.

16. O sábio teme, e desvia-se do mal, mas o tolo se encoleriza, e dá-se por seguro.

17. O que se indigna à toa fará doidices, e o homem de maus intentos será odiado.

18. Os simples herdarão a estultícia, mas os prudentes serão coroados de conhecimento.

19. Os maus inclinam-se diante dos bons, e os ímpios diante das portas dos justos.

20. O pobre é odiado até pelo seu próximo, porém os amigos dos ricos são muitos.

21. O que despreza ao seu próximo peca, mas o que se compadece dos humildes é bem-aventurado.

22. Porventura não erram os que praticam o mal? mas beneficência e fidelidade haverá para os que praticam o bem.

23. Em todo trabalho há proveito, mas ficar só em palavras leva à pobreza.

24. A coroa dos sábios é a sua riqueza, a estultícia dos tolos é só estultícia.

25. A testemunha verdadeira livra as almas, mas o que se desboca em mentiras é enganador.

26. No temor do SENHOR há firme confiança e ele será um refúgio para seus filhos.

27. O temor do SENHOR é fonte de vida, para desviar dos laços da morte.

28. Na multidão do povo está a glória do rei, mas na falta de povo a ruína do príncipe.

29. O longânimo é grande em entendimento, mas o que é de espírito impaciente mostra a sua loucura.

30. O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos.

31. O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra.

32. Pela sua própria malícia é lançado fora o perverso, mas o justo até na morte se mantém confiante.

33. No coração do prudente a sabedoria permanece, mas o que está no interior dos tolos se faz conhecido.

34. A justiça exalta os povos, mas o pecado é a vergonha das nações.

35. O rei se alegra no servo prudente, mas sobre o que o envergonha cairá o seu furor.

1. A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.

2. A língua dos sábios adorna a sabedoria, mas a boca dos tolos derrama a estultícia.

3. Os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons.

4. A língua benigna é árvore de vida, mas a perversidade nela deprime o espírito.

5. O tolo despreza a instrução de seu pai, mas o que observa a repreensão se haverá prudentemente.

6. Na casa do justo há um grande tesouro, mas nos ganhos do ímpio há perturbação.

7. Os lábios dos sábios derramam o conhecimento, mas o coração dos tolos não faz assim.

8. O sacrifício dos ímpios é abominável ao SENHOR, mas a oração dos retos é o seu contentamento.

9. O caminho do ímpio é abominável ao SENHOR, mas ao que segue a justiça ele ama.

10. Correção severa há para o que deixa a vereda, e o que odeia a repreensão morrerá.

11. O inferno e a perdição estão perante o SENHOR; quanto mais os corações dos filhos dos homens?

12. O escarnecedor não ama aquele que o repreende, nem se chegará aos sábios.

13. O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate.

14. O coração entendido buscará o conhecimento, mas a boca dos tolos se apascentará de estultícia.

15. Todos os dias do oprimido são maus, mas o coração alegre é um banquete contínuo.

16. Melhor é o pouco com o temor do SENHOR, do que um grande tesouro onde há inquietação.

17. Melhor é a comida de hortaliça, onde há amor, do que o boi cevado, e com ele o ódio.

18. O homem iracundo suscita contendas, mas o longânimo apaziguará a luta.

19. O caminho do preguiçoso é cercado de espinhos, mas a vereda dos retos é bem aplanada.

20. O filho sábio alegra seu pai, mas o homem insensato despreza a sua mãe.

21. A estultícia é alegria para o que carece de entendimento, mas o homem entendido anda retamente.

22. Quando não há conselhos os planos se dispersam, mas havendo muitos conselheiros eles se firmam.

23. O homem se alegra em responder bem, e quão boa é a palavra dita a seu tempo!

24. Para o entendido, o caminho da vida leva para cima, para que se desvie do inferno em baixo.

25. O SENHOR desarraiga a casa dos soberbos, mas estabelece o termo da viúva.

26. Abomináveis são para o SENHOR os pensamentos do mau, mas as palavras dos puros são aprazíveis.

27. O que agir com avareza perturba a sua casa, mas o que odeia presentes viverá.

28. O coração do justo medita no que há de responder, mas a boca dos ímpios jorra coisas más.

29. O SENHOR está longe dos ímpios, mas a oração dos justos escutará.

30. A luz dos olhos alegra o coração, a boa notícia fortalece os ossos.

31. Os ouvidos que atendem à repreensão da vida farão a sua morada no meio dos sábios.

32. O que rejeita a instrução menospreza a própria alma, mas o que escuta a repreensão adquire entendimento.

33. O temor do SENHOR é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade.

1. Do homem são as preparações do coração, mas do SENHOR a resposta da língua.

2. Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito.

3. Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos.

4. O SENHOR fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios, até o ímpio para o dia do mal.

5. Abominação é ao SENHOR todo o altivo de coração; não ficará impune mesmo de mãos postas.

6. Pela misericórdia e verdade a iniqüidade é perdoada, e pelo temor do SENHOR os homens se desviam do pecado.

7. Sendo os caminhos do homem agradáveis ao SENHOR, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele.

8. Melhor é o pouco com justiça, do que a abundância de bens com injustiça.

9. O coração do homem planeja o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.

10. Nos lábios do rei se acha a sentença divina; a sua boca não transgride quando julga.

11. O peso e a balança justos são do SENHOR; obra sua são os pesos da bolsa.

12. Abominação é aos reis praticarem impiedade, porque com justiça é que se estabelece o trono.

13. Os lábios de justiça são o contentamento dos reis; eles amarão o que fala coisas retas.

14. O furor do rei é mensageiro da morte, mas o homem sábio o apaziguará.

15. No semblante iluminado do rei está a vida, e a sua benevolência é como a nuvem da chuva serôdia.

16. Quão melhor é adquirir a sabedoria do que o ouro! e quão mais excelente é adquirir a prudência do que a prata!

17. Os retos fazem o seu caminho desviar-se do mal; o que guarda o seu caminho preserva a sua alma.

18. A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda.

19. Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos.

20. O que atenta prudentemente para o assunto achará o bem, e o que confia no SENHOR será bem-aventurado.

21. O sábio de coração será chamado prudente, e a doçura dos lábios aumentará o ensino.

22. O entendimento para aqueles que o possuem, é uma fonte de vida, mas a instrução dos tolos é a sua estultícia.

23. O coração do sábio instrui a sua boca, e aumenta o ensino dos seus lábios.

24. As palavras suaves são favos de mel, doces para a alma, e saúde para os ossos.

25. Há um caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte.

26. O trabalhador trabalha para si mesmo, porque a sua boca o incita.

27. O homem ímpio cava o mal, e nos seus lábios há como que uma fogueira.

28. O homem perverso instiga a contenda, e o intrigante separa os maiores amigos.

29. O homem violento coage o seu próximo, e o faz deslizar por caminhos nada bons.

30. O que fecha os olhos para imaginar coisas ruins, ao cerrar os lábios pratica o mal.

31. Coroa de honra são as cãs, quando elas estão no caminho da justiça.

32. Melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade.

33. A sorte se lança no regaço, mas do SENHOR procede toda a determinação.

1. É melhor um bocado seco, e com ele a tranqüilidade, do que a casa cheia de iguarias e com desavença.

2. O servo prudente dominará sobre o filho que faz envergonhar; e repartirá a herança entre os irmãos.

3. O crisol é para a prata, e o forno para o ouro; mas o SENHOR é quem prova os corações.

4. O ímpio atenta para o lábio iníquo, o mentiroso inclina os ouvidos à língua maligna.

5. O que escarnece do pobre insulta ao seu Criador, o que se alegra da calamidade não ficará impune.

6. A coroa dos velhos são os filhos dos filhos; e a glória dos filhos são seus pais.

7. Não convém ao tolo a fala excelente; quanto menos ao príncipe, o lábio mentiroso.

8. O presente é, aos olhos dos que o recebem, como pedra preciosa; para onde quer que se volte servirá de proveito.

9. Aquele que encobre a transgressão busca a amizade, mas o que revolve o assunto separa os maiores amigos.

10. A repreensão penetra mais profundamente no prudente do que cem açoites no tolo.

11. Na verdade o rebelde não busca senão o mal; afinal, um mensageiro cruel será enviado contra ele.

12. Encontre-se o homem com a ursa roubada dos filhos, mas não com o louco na sua estultícia.

13. Quanto àquele que paga o bem com o mal, não se apartará o mal da sua casa.

14. Como o soltar das águas é o início da contenda, assim, antes que sejas envolvido afasta-te da questão.

15. O que justifica o ímpio, e o que condena o justo, tanto um como o outro são abomináveis ao SENHOR.

16. De que serviria o preço na mão do tolo para comprar sabedoria, visto que não tem entendimento?

17. Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.

18. O homem falto de entendimento compromete-se, ficando por fiador na presença do seu amigo.

19. O que ama a transgressão ama a contenda; o que exalta a sua porta busca a ruína.

20. O perverso de coração jamais achará o bem; e o que tem a língua dobre vem a cair no mal.

21. O que gera um tolo para a sua tristeza o faz; e o pai do insensato não tem alegria.

22. O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.

23. O ímpio toma presentes em secreto para perverter as veredas da justiça.

24. No rosto do entendido se vê a sabedoria, mas os olhos do tolo vagam pelas extremidades da terra.

25. O filho insensato é tristeza para seu pai, e amargura para aquela que o deu à luz.

26. Também não é bom punir o justo, nem tampouco ferir aos príncipes por eqüidade.

27. O que possui o conhecimento guarda as suas palavras, e o homem de entendimento é de precioso espírito.

28. Até o tolo, quando se cala, é reputado por sábio; e o que cerra os seus lábios é tido por entendido.

1. Busca satisfazer seu próprio desejo aquele que se isola; ele se insurge contra toda sabedoria.

2. O tolo não tem prazer na sabedoria, mas só em que se manifeste aquilo que agrada o seu coração.

3. Vindo o ímpio, vem também o desprezo, e com a ignomínia a vergonha.

4. Águas profundas são as palavras da boca do homem, e ribeiro transbordante é a fonte da sabedoria.

5. Não é bom favorecer o ímpio, e com isso, fazer o justo perder a questão.

6. Os lábios do tolo entram na contenda, e a sua boca brada por açoites.

7. A boca do tolo é a sua própria destruição, e os seus lábios um laço para a sua alma.

8. As palavras do mexeriqueiro são como doces bocados; elas descem ao íntimo do ventre.

9. O que é negligente na sua obra é também irmão do desperdiçador.

10. Torre forte é o nome do SENHOR; a ela correrá o justo, e estará em alto refúgio.

11. Os bens do rico são a sua cidade forte, e como uma muralha na sua imaginação.

12. O coração do homem se exalta antes de ser abatido e diante da honra vai a humildade.

13. O que responde antes de ouvir comete estultícia que é para vergonha sua.

14. O espírito do homem susterá a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o suportará?

15. O coração do entendido adquire o conhecimento, e o ouvido dos sábios busca a sabedoria.

16. Com presentes o homem alarga o seu caminho e o eleva diante dos grandes.

17. O que pleiteia por algo, a princípio parece justo, porém vem o seu próximo e o examina.

18. A sorte faz cessar os pleitos, e faz separação entre os poderosos.

19. O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como os ferrolhos de um palácio.

20. Do fruto da boca de cada um se fartará o seu ventre; dos renovos dos seus lábios ficará satisfeito.

21. A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto.

22. Aquele que encontra uma esposa, acha o bem, e alcança a benevolência do SENHOR.

23. O pobre fala com rogos, mas o rico responde com dureza.

24. O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão.

1. Melhor é o pobre que anda na sua integridade do que o perverso de lábios e tolo.

2. Assim como não é bom ficar a alma sem conhecimento, peca aquele que se apressa com seus pés.

3. A estultícia do homem perverterá o seu caminho, e o seu coração se irará contra o SENHOR.

4. As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa.

5. A falsa testemunha não ficará impune e o que respira mentiras não escapará.

6. Muitos se deixam acomodar pelos favores do príncipe, e cada um é amigo daquele que dá presentes.

7. Todos os irmãos do pobre o odeiam; quanto mais se afastarão dele os seus amigos! Corre após eles com palavras, que não servem de nada.

8. O que adquire entendimento ama a sua alma; o que cultiva a inteligência achará o bem.

9. A falsa testemunha não ficará impune; e o que profere mentiras perecerá.

10. Ao tolo não é certo gozar de deleites; quanto menos ao servo dominar sobre os príncipes!

11. A prudência do homem faz reter a sua ira, e é glória sua o passar por cima da transgressão.

12. Como o rugido do leão jovem é a indignação do rei, mas como o orvalho sobre a relva é a sua benevolência.

13. O filho insensato é uma desgraça para o pai, e um gotejar contínuo as contendas da mulher.

14. A casa e os bens são herança dos pais; porém do SENHOR vem a esposa prudente.

15. A preguiça faz cair em profundo sono, e a alma indolente padecerá fome.

16. O que guardar o mandamento guardará a sua alma; porém o que desprezar os seus caminhos morrerá.

17. Ao SENHOR empresta o que se compadece do pobre, ele lhe pagará o seu benefício.

18. Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar.

19. O homem de grande indignação deve sofrer o dano; porque se tu o livrares ainda terás de tornar a fazê-lo.

20. Ouve o conselho, e recebe a correção, para que no fim sejas sábio.

21. Muitos propósitos há no coração do homem, porém o conselho do SENHOR permanecerá.

22. O que o homem mais deseja é o que lhe faz bem; porém é melhor ser pobre do que mentiroso.

23. O temor do SENHOR encaminha para a vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e não o visitará mal nenhum.

24. O preguiçoso esconde a sua mão ao seio; e não tem disposição nem de torná-la à sua boca.

25. Açoita o escarnecedor, e o simples tomará aviso; repreende ao entendido, e aprenderá conhecimento.

26. O que aflige o seu pai, ou manda embora sua mãe, é filho que traz vergonha e desonra.

27. Filho meu, ouvindo a instrução, cessa de te desviares das palavras do conhecimento.

28. O ímpio escarnece do juízo, e a boca dos perversos devora a iniqüidade.

29. Preparados estão os juízos para os escarnecedores, e os açoites para as costas dos tolos.

1. O vinho é escarnecedor, a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio.

2. Como o rugido do leão é o terror do rei; o que o provoca à ira peca contra a sua própria alma.

3. Honroso é para o homem desviar-se de questões, mas todo tolo é intrometido.

4. O preguiçoso não lavrará por causa do inverno, pelo que mendigará na sega, mas nada receberá.

5. Como as águas profundas é o conselho no coração do homem; mas o homem de inteligência o trará para fora.

6. A multidão dos homens apregoa a sua própria bondade, porém o homem fidedigno quem o achará?

7. O justo anda na sua sinceridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele.

8. Assentando-se o rei no trono do juízo, com os seus olhos dissipa todo o mal.

9. Quem poderá dizer: Purifiquei o meu coração, limpo estou de meu pecado?

10. Dois pesos diferentes e duas espécies de medida são abominação ao SENHOR, tanto um como outro.

11. Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra é pura e reta.

12. O ouvido que ouve, e o olho que vê, o SENHOR os fez a ambos.

13. Não ames o sono, para que não empobreças; abre os teus olhos, e te fartarás de pão.

14. Nada vale, nada vale, dirá o comprador, mas, indo-se, então se gabará.

15. Há ouro e abundância de rubis, mas os lábios do conhecimento são jóia preciosa.

16. Ficando alguém por fiador de um estranho, tome-se-lhe a roupa; e por penhor àquele que se obriga pela mulher estranha.

17. Suave é ao homem o pão da mentira, mas depois a sua boca se encherá de cascalho.

18. Cada pensamento se confirma com conselho e com bons conselhos se faz a guerra.

19. O que anda tagarelando revela o segredo; não te intrometas com o que lisonjeia com os seus lábios.

20. O que amaldiçoa seu pai ou sua mãe, apagar-se-á a sua lâmpada em negras trevas.

21. A herança que no princípio é adquirida às pressas, no fim não será abençoada.

22. Não digas: Vingar-me-ei do mal; espera pelo SENHOR, e ele te livrará.

23. Pesos diferentes são abomináveis ao SENHOR, e balança enganosa não é boa.

24. Os passos do homem são dirigidos pelo SENHOR; como, pois, entenderá o homem o seu caminho?

25. Laço é para o homem apropriar-se do que é santo, e só refletir depois de feitos os votos.

26. O rei sábio dispersa os ímpios e faz passar sobre eles a roda.

27. O espírito do homem é a lâmpada do SENHOR, que esquadrinha todo o interior até o mais íntimo do ventre.

28. Benignidade e verdade guardam ao rei, e com benignidade sustém ele o seu trono.

29. A glória do jovem é a sua força; e a beleza dos velhos são as cãs.

30. Os vergões das feridas são a purificação dos maus, como também as pancadas que penetram até o mais íntimo do ventre.

1. Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer.

2. Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o SENHOR sonda os corações.

3. Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao SENHOR do que sacrifício.

4. Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado.

5. Os pensamentos do diligente tendem só para a abundância, porém os de todo apressado, tão-somente para a pobreza.

6. Trabalhar com língua falsa para ajuntar tesouros é vaidade que conduz aqueles que buscam a morte.

7. As rapinas dos ímpios os destruirão, porquanto se recusam a fazer justiça.

8. O caminho do homem é todo perverso e estranho, porém a obra do homem puro é reta.

9. É melhor morar num canto de telhado do que ter como companheira em casa ampla uma mulher briguenta.

10. A alma do ímpio deseja o mal; o seu próximo não agrada aos seus olhos.

11. Quando o escarnecedor é castigado, o simples torna-se sábio; e o sábio quando é instruído recebe o conhecimento.

12. O justo considera com prudência a casa do ímpio; mas Deus destrói os ímpios por causa dos seus males.

13. O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, ele mesmo também clamará e não será ouvido.

14. O presente dado em segredo aplaca a ira, e a dádiva no regaço põe fim à maior indignação.

15. O fazer justiça é alegria para o justo, mas destruição para os que praticam a iniqüidade.

16. O homem que anda desviado do caminho do entendimento, na congregação dos mortos repousará.

17. O que ama os prazeres padecerá necessidade; o que ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá.

18. O resgate do justo é o ímpio; o do honrado é o perverso.

19. É melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça.

20. Tesouro desejável e azeite há na casa do sábio, mas o homem insensato os esgota.

21. O que segue a justiça e a beneficência achará a vida, a justiça e a honra.

22. O sábio escala a cidade do poderoso e derruba a força da sua confiança.

23. O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.

24. O soberbo e presumido, zombador é o seu nome, trata com indignação e soberba.

25. O desejo do preguiçoso o mata, porque as suas mãos recusam trabalhar.

26. O cobiçoso cobiça o dia todo, mas o justo dá, e nada retém.

27. O sacrifício dos ímpios já é abominação; quanto mais oferecendo-o com má intenção!

28. A falsa testemunha perecerá, porém o homem que dá ouvidos falará sempre.

29. O homem ímpio endurece o seu rosto; mas o reto considera o seu caminho.

30. Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o SENHOR.

31. Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, porém do SENHOR vem a vitória.

1. Vale mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a riqueza e o ouro.

2. O rico e o pobre se encontram; a todos o SENHOR os fez.

3. O prudente prevê o mal, e esconde-se; mas os simples passam e acabam pagando.

4. O galardão da humildade e o temor do SENHOR são riquezas, honra e vida.

5. Espinhos e laços há no caminho do perverso; o que guarda a sua alma retira-se para longe dele.

6. Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.

7. O rico domina sobre os pobres e o que toma emprestado é servo do que empresta.

8. O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto.

9. O que vê com bons olhos será abençoado, porque dá do seu pão ao pobre.

10. Lança fora o escarnecedor, e se irá a contenda; e acabará a questão e a vergonha.

11. O que ama a pureza de coração, e é amável de lábios, será amigo do rei.

12. Os olhos do SENHOR conservam o conhecimento, mas as palavras do iníquo ele transtornará.

13. Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas.

14. Cova profunda é a boca das mulheres estranhas; aquele contra quem o SENHOR se irar, cairá nela.

15. A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela.

16. O que oprime ao pobre para se engrandecer a si mesmo, ou o que dá ao rico, certamente empobrecerá.

Significados: Salomão, Deus.

Você está lendo Provérbios na edição ACF, Almeida Corrigida e Revisada Fiel, em Português.
Este lívro compôe o Antigo Testamento, tem 31 capítulos, e 915 versículos.